Por que virei vegana?

 

Quando o caso do Instituto Royal estourou, não se via outra coisa no facebook a não ser indignação das pessoas querendo matar os responsáveis pelos testes em animais. Foi aí que a minha curiosidade despertou. Já tinha um bom tempo em que via os hábitos da minha prima, Ananda Jacques, mas confesso que nunca tinha interessado em tonar-me vegana. Por desconhecer a prática eu a rotulava de chata. Como eu poderia boicotar as empresas que testassem em animais, se eu comia animais? Essa pergunta não conseguia sair da minha cabeça. Por mais que algumas pessoas me dissessem que era natural, e que éramos o topo da cadeia alimentar e precisávamos de proteína, não me contentei com essas respostas superficiais.
Antes de abraçar a causa animal, fui pesquisar sobre a saúde. Queria saber se realmente era necessário se alimentar de animais para sobreviver.. e descobri que não. Assisti a uma reportagem no Globo Repórter que me esclareceu bastante coisa. E lá até dizia que pra quem é onívoro, o correto era comer no máximo um bife de carne médio sem gordura por dia. Ou seja, nada de dois bifes enormes no almoço e dois na janta. O aceitável pela medicina é uma quantidade mediana e sem gordura. É impressionante o desconhecimento que eu tinha de muitos assuntos. Passei então a ingerir uma quantidade menor de carne, reeducando a minha alimentação onívora. 
Fiquei um bom tempo dessa forma. Me acomodei, até que vi o vídeo "A engrenagem" do Instituto Nina Rosa. Foi impressionante como um vídeo tão simples, e sem cenas fortes, conseguiu mexer tanto comigo. Imediatamente parei de comer tudo de origem animal.
Foi então que comecei a minha jornada. Se a gente já tem a conclusão de que não precisamos de carne na nossa alimentação, qual a próxima desculpa? As pessoas se escondem nas respostas "é a natureza", "somos onívoros, devemos comer carne!" ao invés de assumir que simplesmente não imagina uma vida sem o sabor da carne.
Não é difícil virar vegetariana, estou sendo sincera, o sabor da carne não me dá saudade. O mais difícil é o preconceito das pessoas. As piadas chatas, os argumentos inválidos, a discriminação por pensar que você é "fresco", é sem dúvidas a pior parte!
Decidi levar uma vida melhor! Não era justo comer galinhas, bois, porcos e chamar de assassinos os comedores de cachorro na China. É muito hipocrisia. Ou simplesmente aceito a cultura de outro, porque tenho a minha, ou então, faço o correto e não participo mais disso.
Ficou decidido. E por muitas vezes pensei em desistir, mas ainda bem que tive a influência de pessoas maravilhosas que me incentivaram sempre ♥